About GNA

Website:
admin has written 348 articles so far, you can find them below.

WORKSHOPS DE TEATRO

Estão já abertas as inscrições para o Workshop de Teatro que o Grupo Nun’Álvares e o Teatro Vitrine levarão a efeito de 5 de julho até 15 de agosto de 2016. As sessões decorrerão na sede do Grupo Nun’Álvares, às terças e quintas-feitas, entre as 17h30 e as 19h30.

WORKSHOPSTEATRO2016_web

Se aspiras subir ao palco e sentir a adrenalina percorrer-te as veias… se queres ver como se faz a construção daqueles espetáculos de que tanto gostas… se queres conviver mais de perto com algumas caras que te habituaste a ver em cima do palco, tens até ao dia 4 de julho para efetuares a tua inscrição na Secretaria do Grupo Nun’Álvares.

Anda! Além de tudo o que vais aprender, temos jogos bué fixes para te divertir.

FAFENCENA’16 – MALA DE CARTÃO

05

Num total e incondicional apoio à Seleção de todos os Portugueses, o FAFENCENA’16 prossegue o seu caminho na divulgação do que de melhor se faz em Portugal nas artes de Talma. Nesse sentido, no próximo sábado, 18-junho-2016, subirá ao palco do Teatro-Cinema de Fafe, pelas 22h00 (considerando já os trinta minutos de atraso em relação ao horário previsto, devido ao jogo do EURO2016), a NOVA COMÉDIA BRACARENSE para apresentar a sua produção “Mala de Cartão”, uma comédia para M/12, cuja sinopse apresentamos abaixo. Apareçam… A diversão está garantida.

"Mala de Cartão", uma comédia à prova de qualquer mau humor.

“Mala de Cartão”, uma comédia à prova de qualquer mau humor.

SINOPSE


O texto inédito Mala de Cartão levado à cena pela Nova Comédia Bracarense, da autoria de José Manuel Barros, é uma comédia de costumes à boa maneira do teatro camiliano, onde as relações familiares constituem o centro das atenções. A ação decorre nas terras do Minho por volta do ano de 1965, vivendo-se ainda por esse tempo a ditadura salazarista, já com Marcelo Caetano a comandar os destinos da Pátria. A história, que poderia resumir-se em duas linhas, coloca em destaque duas famílias distintas, ligadas socialmente por laços de serventia e poder: de um lado, uma família aristocrata, proprietária de bens e terras; do outro lado, a família de um fazendeiro, que se debate diariamente com dificuldades para arrancar da terra o sustento abençoado.

Vivendo-se numa época de grande austeridade, não admira que o português procure noutras paragens a riqueza que mingua no país. Assim, compreende-se, nesta comédia, escrita num só ato, que a emigração constitui, por um lado, uma solução face à miséria e à pobreza que afetavam o povo, mas também uma fuga para aqueles que o destino havia selado o seu futuro em terras de África, defendendo ideais patrióticos de uma política colonial portuguesa cada vez mais arruinada aos olhos da nação. Mala de Cartão é, desta forma, o passaporte do português emigrante que procura fugir de uma realidade marcadamente dura e penosa para se tornar cidadão do mundo.

Mas a peça não se esgota nesta condição, explora também as intrigas, os maldizeres, os mal-entendidos tão característicos de um meio rural pequeno, esgotado nas suas vivências mais mesquinhas, desde o casamento por conveniência, ainda que longe de se tornar uma realidade tangível, já que as vontades amorosas dos mais novos sobrepõem-se ao poder patriarcal. Ainda que uma pretensa união de António, filho do fazendeiro José Justino, com Luísa, filha do proprietário Alfredo Sousa e Valadares, possa trazer grandes benefícios para a família mais carenciada, a verdade é que o coração do mancebo acaba por se deixar conquistar pela rapariga mais popular da aldeia, facto que não deixa indiferente a Srª Ernestina que vê nessa união imoral uma afronta aos bons costumes, se considerarmos em conta que a sua filha tem dote e educação suficientes para enfrentar uma rival sem berço.

É sob este ambiente de confrontação e pudor social que Mala de Cartão se desenvolve em cena, procurando recriar quadros pitorescos, carregados de alguma comicidade e ironia, com o objetivo de provocar não só o riso no espectador, mas também transmitir algum realismo ao público expondo à vista de todos “vislumbres” do Portugal rural da década de 60.

O BELO LÁPIS AZUL

Foto de família no final da Sessão de Abertura do FAFENCENA'16

Foto de família, no final da Sessão de Abertura do FAFENCENA’16

Como anunciado no passado dia 21-maio-2016, durante a Sessão de Abertura do FAFENCENA’16, a companhia de teatro, LOUCOMOTIVA – Grupo de Teatro de Taveiro, apresentará a sua produção “O Belo Lápis Azul” no Teatro-Cinema de Fafe, no dia 28-maio-2016, pelas 21h30.

"O belo Lápis Azul" da companhia Loucomotiva

“O belo Lápis Azul” da companhia Loucomotiva

SINOPSE

O que é que o melhor encenador e o melhor ator de teatro podem querer mais a seguir ao seu mais recente e aclamado sucesso? Encontrar a peça perfeita para se poderem retirar e acabar com a pressão que lhes é imposta pelo meio artístico, uma vez que não se conseguem livrar dos êxitos de bilheteira. Como fazer isso? Contrariando o que sempre fizeram e procurando um texto que seja tão mau que ninguém queira nunca mais ver nada deles.
Para ser realmente mau não há que enganar, basta um texto mau, aliás, péssimo, mas que por isso se torna bom. Um espetáculo planeado para falhar onde a temática aborda a censura e o Estado Novo de forma elogiosa, o que para todos os efeitos seria mau… mas que, ao que parece, aqui é deveras bom. Mas bom de bom? Claro que não, bom de mau, o que faz de O belo lápis azul uma peça horrível, mas um horrível daqueles que até é bom.

FAFENCENA’16

convite

O Grupo Nun’Álvares, juntamente com o Teatro Vitrine e a C. M. de Fafe (Cidade de Fafe), levam a efeito, iniciando-se já neste mês de maio, a III ed. do FAFENCENA – Festival de Teatro de Fafe. Com o objetivo de dar a conhecer as Companhias/Peças que compõem o cartaz de 2016, haverá uma Sessão de Abertura, no próximo de 21-maio-2016 pelas 21h30, na Sala Manoel de Oliveira, para a qual temos a maior satisfação em convidar todos os nossos amigos, admiradores, seguidores… e afins…
Considerem-se bem-vindos!…

XIX CONCERTO DE PRIMAVERA

Em 16 de abril de 2016, no Teatro Cinema de Fafe, realizou-se o XIX Concerto de Primavera, uma organização do Coral Santo Condestável do Grupo Nun’Álvares. Além do coral organizador, participaram ainda, o Coro do Círculo Cultural Scalabitano (Santarém) e da ADN-Academia de Dança Nun’Álvares.

O Coordenador do Coral Santo Condestável agradeceu às famílias e instituições que em janeiro último os receberam no “Cantar de Reis” e a forma simpática e amiga como o fizeram, dedicando-lhes particularmente este concerto.

Abriu o concerto o Coral Santo Condestável que apresentou um interessante programa, numa atuação muito aplaudida e, no dizer do Jornal Notícias de Fafe, “o Santo Condestável fez jus ao patamar de qualidade a que já habituou o seu público”.

Apresentou-se, de seguida a ADN-Academia de dança Nun’Álvares, com algumas dezenas de crianças e jovens que interpretaram uma interessante versão de “Fados”, nas categorias de contemporâneo kids e teens e hip-hop teens nível I.

Foi, sem dúvida alguma, um bom momento em que foi possível apreciar a beleza do desempenho dos bailarinos, mas também mostrar uma nova vertente das atividades desenvolvidas no Grupo Nun’Álvares e, ao que parece, com promissor futuro.

Encerrou o Coro do Círculo Cultural Scalabitano que, dirigido pelo maestro António Matias, apresentou um interessante e mexido programa muito do agrado do público.

O evento contou com a presença de numeroso público, o que agradecemos e muito nos honra, destacando-se as presenças dos senhores Presidente da Câmara, Presidente da Junta de Freguesia, Párocos de Fafe, Assistente do Grupo Nun’Álvares e ainda do Dr. Häendel de Oliveira, ex-Delegado de Braga da Fundação Inatel, a quem foi oferecido o livro “Retratos do Tempo e da Memória”, do Grupo Nun’Álvares. O Dr, Häendel de Oliveira agradeceu e dirigiu grandes elogios ao trabalho realizado nesta instituição, considerando-a uma das mais importantes do Distrito de Braga.

DIA DO PATINADOR

 

Para comemorar o dia do patinador, um registo fotográfico do último Campeonato Nacional de Show e Precisão.

Parabéns a todos os patinadores!!

XIX CONCERTO DE PRIMAVERA

CARTAZ

 

O Coral Santo Condestável do Grupo Nun’Álvares vai realizar o XIX Concerto de Primavera, no Teatro Cinema de Fafe, às 21:30 horas, no próximo dia 16.

Os ingressos podem ser adquiridos no Posto de Turismo, ou no dia, no Teatro Cinema.

Contamos convosco!

 

PORTA-CHAVES PERSONALIZADO

CARTAZ_GNA

 

Se estás interessado/a em teres um porta-chaves personalizado, faz a tua encomenda na secretaria do Grupo Nun’Álvares.

 

ADN no “VI Leiria Dance Competition”

leiria

A Academia de Dança Nun’Álvares vai iniciar este fim de semana, em Leiria, a época competitiva no VI Leiria Dance Competition

Vão estar presentes sete turmas no estilo Hip Hop, que participarão nos escalões Kids, Teens e Avançados, uma turma no estilo livre e uma turma no estilo contemporâneo.

O objetivo principal, será superar os resultados do ano passado que se traduziram em 4 primeiros lugares, 1 segundo e 2 terceiros, nas diversas modalidades.

O Grupo Nun’Álvares deseja as maiores felicidades, nas pessoas dos responsáveis, David Martins e Susana Barros.

Aproveitamos para divulgar a grelha de disciplinas e seus responsáveis e respetivos horários.

Imagem1